Softwares para automação bancária, consultoria e treinamento em TI.

Sua Área

Idioma

ptafenfrdees

Tags

Nenhum marcador encontrado.

Notícias

A maneira como você envia e recebe dinheiro está prestes a mudar mais uma vez. 

O Banco Central (BC) anunciou em agosto de 2019 a implantação do Sistema Pagamentos Instantâneos (SPI), um novo tipo de transação que deve substituir as transações de pagamento em papel moeda e com cartões de débito bem como as transferências interbancárias (TED e DOC). Esta nova transação, que estará disponível para pessoas físicas, jurídicas e órgãos do governo, será feita em alguns segundos, 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Para não ser pego de surpresa, é bom ficar antenado com o que essa nova tecnologia vai agregar ao nosso dia a dia. 

Entenda como vai funcionar o Sistema Pagamentos Instantâneos neste post.

Boa leitura!

Escolher fornecedor de TI é algo que requer cuidado em qualquer mercado, mas no ramo da automação bancária é ainda mais importante ser bastante criterioso na avaliação de possíveis fornecedores. Qualquer falha de segurança ou em processos para uma instituição financeira, por exemplo, pode significar prejuízo de milhares ou milhões de reais, além de gerar consequências que se estendem ao longo do tempo e que demoram a ser totalmente revertidas.

Por isso, vamos abordar neste texto seis aspectos aos quais uma empresa tem de estar atenta ao analisar a possibilidade de contratar um novo fornecedor de tecnologia. São quesitos que não dão somente segurança à contratação, mas que também tendem a fazê-la gerar retorno sobre investimento mais satisfatório.

 

transformação digital no setor bancário já é realidade faz alguns anos, mas os players do ramo seguem se empenhando cada vez mais para desenvolverem novas e melhores soluções no intuito de terem processos mais eficientes e que proporcionam boas experiências aos clientes.

Se você faz parte disso, precisa estar atento às tendências em automação bancária para 2020. São mudanças, inovações e reformulações que estão em fases de teste, sendo estudadas ou já são aplicadas em países da Europa e Estados Unidos. Todas elas são compatíveis com a realidade do mercado financeiro brasileiro e podem se encaixar a ele, mesmo que somente no futuro próximo com a consolidação de melhorias ainda em curso.

Veja agora cinco dessas tendências e saiba porque sua empresa deve se aprofundar nelas.

Investir nos mais sofisticados recursos de segurança para automação bancária sem dúvida é necessário, já que o mercado financeiro e os clientes de instituições estão entre os alvos mais visados de hackers no mundo todo. Mas para saber se o investimento realmente é positivo é preciso testar as infraestruturas na prática, motivo pelo qual existem os diferentes tipos de PenTest, ou testes de intrusão.

Além dos tipos, existem ainda métodos variados para realizar as análises, sendo que cada um deles se encaixa melhor em determinada situação e infraestrutura. E neste texto abordaremos os diferentes tipos de testes existentes, os métodos mais utilizados para aplicá-los e como definir a técnica mais adequada para o cenário em questão.

Em 2018, segundo pesquisas da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), mais de 18 bilhões de transações foram feitas com cartões no país. Dentro desse volume, no mesmo período, apenas pouco mais de um milhão delas ocorreram via contactless. E esses números dizem muito sobre o cenário dos pagamentos por aproximação no Brasil.

As tecnologias do contactless, como NFC, radiofrequência (RFID) e aplicativos móveis, que permitem esses tipos de pagamentos, não são novas e estão há anos disponíveis para uso por parte de compradores e vendedores. Mesmo assim, ainda são subutilizadas em território nacional, enquanto outros países já aproveitam em larga escala as possibilidades que elas dão.

Neste post, vamos mostrar mais alguns dados sobre o uso de contactless no país, abordar os motivos da pequena disseminação e comparar os números locais com os de outros países que exploram mais a tecnologia.

A moeda do Facebook, a Libra, foi anunciada no dia 18 do último mês de junho. Seu funcionamento começará em 2020 e servirá para transações feitas entre os usuários da rede social mais acessada no mundo. A Libra também poderá ser utilizada por usuários de Instagram, WhatsApp e Facebook Messenger, tanto em transferências quanto em compras no social commerce.

Além de gerar um novo tipo de engajamento e mais uma fonte de receita para as empresas de Mark Zuckerberg, a criação da criptomoeda também tem como objetivo facilitar transações financeiras pela internet para cerca de um bilhão de pessoas desbancarizadas e sem acesso a serviços financeiros. Essa mesma parcela do total de mais de 2,3 bilhões de pessoas tem, por outro lado, smartphone e acesso ao Facebook.

E como essa novidade afetará bancos e outros players do mercado financeiro? É o que abordaremos agora com base nas possibilidades que serão criadas e no que já se sabe sobre a Libra.

Página 1 de 4